Pinhel, a Cidade Falcão, é uma terra cuja coragem cedo marcou a sua história e identidade. Foi no século XIV que as suas gentes estoicamente lutaram pela defesa da independência de Portugal quando estava sob ataque de Castela, e ao arrebatar o falcão do Rei castelhano fizeram dele o seu símbolo. Mas a coragem não acabou aqui.

Num concelho em que a agricultura sempre teve um papel fundamental, onde o olival e a vinha têm crescido em dimensão e importância, nasce o segundo grande símbolo que dá fama à região, tanto no país como lá fora.

Falamos dos vinhos da Adega Cooperativa de Pinhel, fundada há mais de 50 anos. Focada na união dos seus associados e em produções de elevada qualidade, esta Adega aposta em equipamentos modernos e horizontes amplos, tornando os seus vinhos cada vez mais competitivos.

A mesma coragem que guiou Pinhel em confrontos no passado tem levado a sua Adega a conquistar novas fronteiras, onde estes vinhos se assumem como porta-estandarte de um terroir, de uma região e de uma história.